29 abril, 2009

Motivo

...

Eu canto porque o instante existe
e a minha vida está completa.
Não sou alegre nem sou triste:
sou poeta.

Irmão das coisas fugidias,
não sinto gozo nem tormento.
Atravesso noites e dias
no vento.

Se desmorono ou se edifico,
se permaneço ou me desfaço,
- não sei, não sei. Não sei se fico
ou passo.

Sei que canto. E a canção é tudo.
Tem sangue eterno a asa ritmada.
E um dia sei que estarei mudo:
- mais nada.

Cecília Meireles


- Obrigada pelo carinho, pelo equilíbrio, pela presença, pela saudade, pela lembrança, pela poesia, pela música, pelo gostar, pelo sorriso, pela coragem... E por tudo o que não cabe nesta página.

2 comentários:

james p. disse...

Para mim,existem muito poucos poemas mais lindos que esse.Fico feliz de ve-lo aqui.Grande abraço.Cada vez gosto mais de seu blog,numa blogosfera muitas vezes inócua e sem encanto.Parabéns.

nina rizzi disse...

ainda bem que se pode sentir saudade. que se pode agradecer.

é doído, mas é sen-ti-r, muitos não tem o privilégio.

este é um dos meus poemas preferidos, juntamente com a "lua adversa".

inté.