05 junho, 2008

volatilidade




Loulé - Ermida de Nossa
Senhora da Piedade







As vezes regresso ao cimo daquela rua junto à igreja, naquela noite azul estrelada e quente... sinto ainda o sabor proibido da vida nas veias, misturada com a felicidade e o temor de que um segundo não fosse eterno...
Ainda vejo o precipício À direita e o chão seco à esquerda. Ainda sei que posso cair para qualquer lado...

Às vezes ainda regresso ao cimo daquela rua junto à igreja, deito-me e adormeço.
Sei que posso cair para qualquer lado e

Acordar com a luz do sol a ofuscar-me a vista e os teus braços.

LC 2007

1 comentário:

sou tua disse...

E podes sempre cair nos meus braços...como naquela noite :)

Amo te