30 abril, 2009

Relógio


Skate Study House


...Relógio! Deus sinistro, hediondo, indiferente,
Que nos aponta o dedo em riste e diz: “Recorda!
A Dor vibrante que a lama em pânico te acorda
Como num alvo há de encravar-se brevemente;

Vaporoso, o Prazer fugirá no horizonte
Como uma sílfide por trás dos bastidores;
Cada instante devora os melhores sabores
Que todo homem degusta antes que a morte o afronte.

Três mil seiscentas vezes por hora, o Segundo
Te murmura: Recorda! - E logo, sem demora,
Com voz de inseto, a Agora diz: Eu sou o Outrora,
E te suguei a vida com meu bulbo imundo!

Remenber! Souviens-toi! Esto memor!(Eu falo
Qualquer idioma em minha goela de metal.)
Cada minuto é como uma ganga, ó mortal,
E há que extrair todo o ouro até purificá-lo!

Recorda: O Tempo é sempre um jogador atento
Que ganha, sem furtar, cada jogada! Ë a lei.
O dia vai, a noite vem; recordar-te-ei!
Esgota-se a clepsidra; o abismo está sedento.

Virá a hora em que o Acaso, onde quer que te aguarde,
Em que a augusta Virtude, esposa ainda intocada,
E até mesmo o Remorso(oh, a última pousada!)
Te dirão: Vais morrer, velho medroso! É tarde!”

Charles Baudelaire - O Relógio in As flores do mal

(Não há dúvida alguma que eu deveria ter conhecido este Senhor)

3 comentários:

Filha de SafO disse...

Um de meus textos preferidos deste grande senhor.
A citação que segue tb é dele:
"O público é, relativamente ao génio, um relógio que se atrasa". :p
Bonne Nuit M.L

AlmaAzul disse...

E mais uma ves eu não posso deixar de concordar com ele... :-P
***azuis

Márcia disse...

E eu, com certeza, também. ;)

Beijazul daqui.