24 junho, 2005

TRADUZIR-SE

Uma parte de mim
é todo mundo:
outra parte é ninguém:
fundo sem fundo.

uma parte de mim
é multidão:
outra parte estranheza
e solidão.

Uma parte de mim
pesa, pondera:
outra parte
delira.

Uma parte de mim
é permanente:
outra parte
se sabe de repente.

Uma parte de mim
é só vertigem:
outra parte,
linguagem.

Traduzir-se uma parte
na outra parte
- que é uma questão
de vida ou morte -
será arte?

Ferreira Gullar

Image hosted by Photobucket.com
Auto-retrato claro-escuro

4 comentários:

Ticiana disse...

Você é perfeita.

manhã disse...

adoro o poema, somos uma totalidade e, às vezes, ok, concedo, muitas vezes, contradição!

AlmaAzul disse...

Obrigada pelo exagero ticiana ;)

manhã, somos ums totalidade dual em constante contradição/oposição. ;)


***azuis

Anónimo disse...

best regards, nice info Campus vote.com online electronic voting for universities dildo Bras canada North carolina battery legal Sources advice financial planning self heating mask private label http://www.home-based-business-6.info Nfl gambling to win