29 setembro, 2009

A oração da Vida e as Vígulas do Amor

O meu amigo António, de que os mais atentos certamente já ouviram falar, foi , sem dúvida ,das pessoas mais extraordinárias que conheci.

Foi e é porque apesar de estar privada da sua presença as suas palavras parcas acompanham-me todos os dias, e perco ganho muito tempo pensando nelas…

De forma que, tenho pensado sobre uma das coisas que uma vez me disse numa conversa de secretária:


A vida é como um texto, e o Amor é uma boa oração bem encaixada entre duas vírgulas…”

António Rodrigues


Recordo-me de memorizar a frase desconhecendo, contudo, o seu sentido real. Não perguntei. Eu pergunto sempre de mais… E, ele não era de muitas respostas. Com ele aprendi a conter-me e a pensar por mim.

Já levei horas pensando nas vírgulas e nas orações. Nos diferentes tipos de orações, nos diferentes tipos de texto. E, principalmente, no que tendemos a colocar entre vírgulas.

Sei que, o que queria dizer não era algo realmente simples. Nem sequer algo que eu pudesse naquela altura entender, pois pouco sabia acerca do Amor e da Vida. Tinha em mim a pureza de quem poderia conquistar o mundo. E ele a sabedoria acumulada de uma vida serena e dedicada.

Hoje, já cheguei a algumas conclusões. Cheguei a grandes conclusões. E sim, já posso dizer que a vida é mesmo um texto e o amor uma oração entre vírgulas. Provavelmente, com o tempo, ainda vou chegar a mais conclusões. Vai-se aprendendo à medida da experiência.

Deixo-vos aqui mais uma das ideias que apreendi dele, talvez porque considere que se deveria ter dado a conhecer o seu entendimento da coisas. Mas, principalmente, porque acho que deveríamos pensar mais no sentido das coisas. Viver simplesmente não é viver por acaso.

Imagem retirada daqui...

2 comentários:

tulipa disse...

Não conhecia...
um abraço
tulipa

AlmaAzul disse...

É natural tulipa nunca foi publicado :)
***azuis