23 março, 2009

Interdito


Imagem: "o desejo significativo" de faniano meirelles cafune


Esmaga-me o silêncio

Pedra sobre pedra

Sobre o peito

Sufoco

O abismo

Interminável

Do som

Sem sentido

Engole-me

Lenta e

Dolorosamente

Já não grito

Sou silêncio

De pedra

Estilhaço de peito

Lentamente engolido

Desejo de

Prazer contido

Na boca

Do som

Sem

Sentido




AlmaAzul

4 comentários:

Toze disse...

Gostei deste interdito silêncio lentamente engolido num prazer contido.

Anónimo disse...

gosto dos sons incompreensíveis. sou sensível a todos silêncios...

é um belo poema. ainda estou a diger-ir...

ADiniz disse...

Quando fala em tom de amor por ti e me escutavas ainda estavas comigo, mas quando começou não me ouvir,silencie.
Gritar, iria ferir meus ouvidos,
a sala já estava vazia.

Bjinhos, ahah! topei,kkkkkkk

Aroeira disse...

maravilha!