13 novembro, 2008

- Realmente...

Como será ficar cego de um momento para outro?

Pensava nisso, faz algum tempo enquanto via uma notícia sobre a apresentação do filme Ensaio Sobre a Cegueira.

E não conseguia imaginar.

Como seria pensar que nunca mais iria ver o azul, o verde, o vermelho, o castanho... Como seria o preto? Será que com o tempo me iria esquecer dos tons? E daqueles olhos lindos… daqueles tantos olhos lindos? E os sorrisos, será que me esqueceria deles?

Sim, porque a minha paranóia é mesmo a memória e não a cegueira.

Hoje tenho, e faz só alguns dias, uma das que mais amo sem ver... e sem saber se voltará a ver!

E hoje penso, as vezes pensamos em cada parvoíce desnecessária!!!


Eric Clapton – My Father’s Eyes

4 comentários:

mfc disse...

E não são as parvoíces desnecessárias o verdadeiro sal da vida?!

AlmaAzul disse...

mfc, sim são mas muitas vezes o sal não nos cai muito bem ;)
***azuis

Dantins disse...

É difícil imaginar como seria a nossa vida sem ver, das coisas mais importantes para mim numa pessoa é o sorriso e o olhar, diz muito.
O olhar permite conhecer a essência das pessoas...

nina rizzi disse...

tanta água e sal é uma desgraça...